/* PRIVILÉGIOS DE SÍSIFO 反对 一 切 現代性に対して - 風想像力: ESQUIZO-APATIA CRÍTICA

PRIVILÉGIOS DE SÍSIFO 反对 一 切 現代性に対して - 風想像力

LES PRIVILÉGES DE SISYPHE - SISYPHUS'PRIVILEGES - LOS PRIVILÉGIOS DE SÍSIFO - 風想像力 CONTRA CONTRE AGAINST MODERNISM Gegen Modernität CONTRA LA MODERNITÁ E FALSO CAVIARE SAIAM DA AUTOESTRADA FLY WITH WHOMEVER YOU CAN SORTEZ DE LA QUEUE Contra Tudo : De la Musique Avant Toute Chose: le Retour de la Poèsie comme Seule Connaissance ou La Solitude Extréme du Dandy Ibérique - Ensaios de uma Altermodernidade すべてに対して

2006-11-23

ESQUIZO-APATIA CRÍTICA


Sonho que tive ontem:



Este tipo com cara de máquina está-me a dizer como se governa o país. Deve ter razão. Tem o apoio dos bombeiros, e do gordo que quer fazer a Tal Central Nuclear, sem a qual seremos ainda mais réprobos da Grande Deidade, a Modernidade.
Deve ter razão. Vai controlar tudo. Disse a rir com doçura que primeiro custa, depois dói, mas a seguir é uma alegria, vamos ter um contador no peito para pagar o ar que se respira. Os bombeiros perfilados aplaudiram. O chefe dos bombeiros – um sábio – acenou com a cabeçita que sim e as suas barbas brancas encheram-se de pequenas canetas que rubricaram tudo com um ZTDM flamante (zé teotónio de mattos) e voltou para trás a dizer
- este sim (pausa) este (grande pausa) este sabe.
E, diante dos bombeiros agora mais à vontade, todos de mão no tomatal, o tipo com cara de máquina engolido de novo pelo seu fato armani voltou a entrar no seu Volvo topo de gama, de vidro fumado, e disse adeus, mas era a fingir. Continuava-se a ver a sua imagem na televisão a dizer como é que é , como devia ser e como vai ser e mesmo depois de chegar outra vez o futebol (a vida sem futebol não passa de um intervalo entre nada e nada mais) continuou a falar. Mas abalámos por cima de pontes e arcadas, pelo mesmo país mas noutro mapa, e depois por outro mapa que não correspondia a nenhum país. Intopoi.
Bem, chegámos à cervejaria para meter umas bijecas, que a desidratação é coisa feia e dorida. E logo na mesa, entre o sol popular do tremoço e o frasco de plástico da maionesa aldrabada para alemães, estava o tablóide com o tipo com cara de máquina todo sorridente a dizer
- temos que acabar com as assimetrias
E eu a ver Loren a entrar, a romenazinha de cara gira, com dois olhos assimétricos, um verde e outro castanho, e já num bosque sonhado eu a sonhar que lhe pedia o seu pulmão ao seu pai, um homem cheio de goulash no bigode que nos olhava com enlevo de dentro de um relógio de cuco, e distraído na verdadeira realidade pedi-lhe
- Duas assimetrias Loren.
E ela no seu português muito aplicado em que entram e saem andorinhas pela sílaba disse:
- simetrias?
- Desculpa lá Loren. Mais duas imperiais.
A safada da mesa de tampo de (falso) mármore a rir. Gostava de ver cair por cima dela a casca genial do tremoço, e de sentir o pingo da espuma. Safadas as mesas.
- Safadas as mesas, disse eu ao Lira (Francisco Pinto de Lyra)
- Ahn
- Não vão ter um contador ao peito, como nós.
- Mas pode ser giro o contador, Morfeu (a minha alcunha por causa da soneca descabida a qualquer hora). Se calhar põe-lhe um sonzinho, como aos telemóveis.
Bem dizia o Jean- Paul Sartre que um tipo está só no mundo, e pior ainda está só contra todos. Nem num Lyra se pode confiar. Então entrou o tipo com cara de máquina na cervajaria. (mentira) A imprensa vinha à frente, Os incríveis fotógrafos com as suas barbas e bigodes de revolucionários vinham à frente, A cervejaria desde a inauguração, quando as maquinas eléctricas mata-moscas de luz azulada estavam na força da vida, e os espelhos brilhavam de novos, nunca tinha tido luz assim. Os fotógrafos como abelhas em cacho rodearam o homem com cara de máquina de grãos de luz.
Era assim que o homem brilhava. Absorvia a luz dos flashes. Ficava com o rosto de prata brilhante dos semideuses. Depois bastava-lhe dizer:
- assimetrias
E todas as Lorens do mundo se erguiam de pás e enxós na mão, com aqueles bonés tontos de pala que diziam Viva o Homem com cara de máquina, e o gordo da Central Nuclear com o seu sorriso de cachalote abençoava-os e todos o seguiam dando palmas dizendo que era tudo por nós, para nosso bem.

0 Comments:

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home