/* PRIVILÉGIOS DE SÍSIFO 反对 一 切 現代性に対して - 風想像力: AS ROUPAS FALANTES DO PORQUINHO POLÍTICO

PRIVILÉGIOS DE SÍSIFO 反对 一 切 現代性に対して - 風想像力

LES PRIVILÉGES DE SISYPHE - SISYPHUS'PRIVILEGES - LOS PRIVILÉGIOS DE SÍSIFO - 風想像力 CONTRA CONTRE AGAINST MODERNISM Gegen Modernität CONTRA LA MODERNITÁ E FALSO CAVIARE SAIAM DA AUTOESTRADA FLY WITH WHOMEVER YOU CAN SORTEZ DE LA QUEUE Contra Tudo : De la Musique Avant Toute Chose: le Retour de la Poèsie comme Seule Connaissance ou La Solitude Extréme du Dandy Ibérique - Ensaios de uma Altermodernidade すべてに対して

2008-11-09

AS ROUPAS FALANTES DO PORQUINHO POLÍTICO








A nossa ministra da Educação tem uns lábios fininhos, e veste espantosamente mal. Quem a vir sem saber quem é confunde-a com uma porteira-dona-de-prédios, ou com a cøzinheira de uma pastelaria macrobiótica, ou com a senhora que forma catequistas. Mas isso, não é novo nem anómalo. As pessoas dos nossos governos tem mau ar, pálido, ou pacóvio, vestem mal. Ou vestem bem, mas mal. A roupa pode ser cara, mas fica-lhes desajeitada. Uma tendência fatídica para o escuro e para o cinzento, no fundo deslinda-lhes os cérebros, que são escuros e cinzentos e gritões. Dir-se-ia que a elegância verdadeira começa por ser uma elegância moral. Daí o ar de farroupilha, de vendedor de prédios pífios, de automóveis subdotados e de empregados gerais de uma agência funerária Light que tem os nossos porquinhos políticos.


Também estou convencido que os nossos governantes - todos gritões - e há gente que grita inanidades em voz baixa e rouca como o Ministro Pinho, sãoi um caso psicológico e genealºogico ao mesmo tempo: por um lado tiveram em crianças fraldas cinzentas. Por outro foram também embalados ou calados por pais que vinham de uma série de antepassados com uma coisa em comum_quecas tristes, maradas, feitas às escuras, debaixo de uma daquelas estatuetas da Virgem de Fátima, fluorescente. Ou de uma estatueta da República, ou um Post-Card a sépia de uma Rainha com ar de burguesa farta.

A Ministra da Educação tem o cabelo em balão, como a Manuela Ramalho Eanes como a Maria de Belém (de voz fininha, rala-cenouras) como a Fátima Felgueiras como a jovem advogada da bancada socialista. Há uma cabeleireira, ou melhor um sindicato de cabeleireiras com um sentido de Estado, pelos vistos, que arma em balão as pilosidades das porquinhas políticas. O que faz, sem ironia nenhuma, subir as cabeças. No país de Alice das cabecinhas em balão, como diram os pink-floyds, there a lot of little pigs in the wind.


Uma vez vi-a na rua e pensei que era a mulher dias do meu vizinho que vinha do body-lifitng. O seu cabelo em balão, qualquer pessoa sem uma espectacular cegueira comum e corrente, via que era para esconder o miolo pinguço, para tapar as febras pinguentas dos seus neurónios de professora de sociologia astro-diversa. Estive quase para lhe perguntar a senhora saiu dum filme de bruxas do Harry Potter, em que faz cozinhados de sopa de lesma ou dirige-se para o grande sabath das Magas Negras?


Eu tenho várias ideias inoficiais sobre a dita Ministra. Uma delas diz que o seu criado de eleição é o PM, que, como os sargentos e os subordinados, fala depois dela, usando as mesmas expressões. No entanto, este facto de sociologia rural de Lineu, que o nosso PM que tem ar de argelino e ar de criado chateado e enérgico que recomenda ao patrão para asfaltar "le carrelage" e pôr ar condicionado numa varanda arejada só porque é moderno seja criado de uma porteira,1 só supreende quem não conhece os meandros servis do nosso país de serventuários.

A ministra o que serve? Uma coisa Kafkiana: a Organização. Tal como as meninas e meninos hiper-organizados e ditatoriais, que expulsam musgos, gatos, flores, árvores e tudo o que ameaçe ter vida das sua áreas, a ministra sufoca os educadores com papéis, éditos, regras, contra-regras, instruções que sirvam "a eficiência do sistema", a "lógica". Exactamente o sindroma da porteira, que policia as entradas e saídas, que estabelece um universo delirante onde as regras e os controles são o mais importante de tudo. A porta de entrada nas carreiras professorais tem agora uma Porteira Encarniçada, quintessência de todas as porteiras: Não passarás pela porta de acesso às Instãncias Superiores se não te Auto-Avaliares e Hetero-Avaliares os teus Pares-

Em suma,em suma digamos como dizia o Professor Gomes da Costa, temos uma Porteira da Educação, que como todas as porteiras diz palavrões em português técnico, e depois secundada pelo seu empregado, o PM, um emigrante argelino que vende computadores feitos na Reboleira, decidiu castrar ainda mais o sufocante tempo dos professores.

0 Comments:

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home