/* PRIVILÉGIOS DE SÍSIFO 反对 一 切 現代性に対して - 風想像力: DEMOCRACY IS A LUNAR VIRUS

PRIVILÉGIOS DE SÍSIFO 反对 一 切 現代性に対して - 風想像力

LES PRIVILÉGES DE SISYPHE - SISYPHUS'PRIVILEGES - LOS PRIVILÉGIOS DE SÍSIFO - 風想像力 CONTRA CONTRE AGAINST MODERNISM Gegen Modernität CONTRA LA MODERNITÁ E FALSO CAVIARE SAIAM DA AUTOESTRADA FLY WITH WHOMEVER YOU CAN SORTEZ DE LA QUEUE Contra Tudo : De la Musique Avant Toute Chose: le Retour de la Poèsie comme Seule Connaissance ou La Solitude Extréme du Dandy Ibérique - Ensaios de uma Altermodernidade すべてに対して

2008-03-18

DEMOCRACY IS A LUNAR VIRUS




A DEMOCRACIA É UM VIRUS LUNAR

o que é a democracia?
telefonei à tua mãe e ela disse-me que tinha a ver com a igualdade
fiquei chateado porque não quero ser igual ao Julio Isidro
mais tarde no café perguntei ao patrão do café
o que é a democracia e ele disse-me toda a gente sabe isso
é poder votar
o quê nestes chatos que ganham sempre e tem a mesma língua
fui à igreja e o padre disse-me é a liberdade
mas vi os fiéis a passar como se tivessem grilhetas na mente
e mais tarde ao entrar no metro percebi que era uma sucursal do Letes
mais tarde perguntei ao político o que é a democracia?
e este disse-me pão para todos e escolas iguais para todos
e lembrei-me da minha escola e de como queria fugir de lá para sempre
e de como o pão lá tinha dias que sabia a peixe
e lembrei-me da professora que me dizia tens uma maneira esquisita de correr
mas o que é a democracia?
mas o que é a democracia? fui eu à varanda gritar
e a polícia espantada olhou pra cima e fez-me sinal pra eu me calar
mas não me calei e começaram os tiros e eu caí verticalmente na igualdade
cinco andares de igualdade, de liberdade, até me estatelar
felizmente o polícia era um daqueles insufláveis e insuflou-se num instante
levou-me para a esquadra onde me deram um arraial de porrada
o que é a democracia? gritei enquanto mais uma vez caía chamando-lhe
os nomes que as suas mãezinhas todas tinham
felizmente sou feito de papel, de palavras e de sangue viciado
nada me pode mais bater do que o tempo nada me mata mais do que os meus sonhos
de modo que saí de lá pior que um pesadelo num talho
mas a prumo, aos tombos, a prumo, titubeante sabendo que ninguém sabia
que nunca ninguém saberia porque tal coisa era um fantasma
nada mais do que uma palavra-dentadura, uma palavra de impostura
e que não valia nada, e que em nome dela nos davam pastos veementes
mas gastos

0 Comments:

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home