/* PRIVILÉGIOS DE SÍSIFO 反对 一 切 現代性に対して - 風想像力: DIAS DE VIÉS NO MUNDO IMERSO

PRIVILÉGIOS DE SÍSIFO 反对 一 切 現代性に対して - 風想像力

LES PRIVILÉGES DE SISYPHE - SISYPHUS'PRIVILEGES - LOS PRIVILÉGIOS DE SÍSIFO - 風想像力 CONTRA CONTRE AGAINST MODERNISM Gegen Modernität CONTRA LA MODERNITÁ E FALSO CAVIARE SAIAM DA AUTOESTRADA FLY WITH WHOMEVER YOU CAN SORTEZ DE LA QUEUE Contra Tudo : De la Musique Avant Toute Chose: le Retour de la Poèsie comme Seule Connaissance ou La Solitude Extréme du Dandy Ibérique - Ensaios de uma Altermodernidade すべてに対して

2008-11-27

DIAS DE VIÉS NO MUNDO IMERSO

Oh o mosquito bêbedo na vidraça, como me lembra os santos estúpidos que se atiram de cabeça para a cara de Deus, e este não os deixa passar para dentro.
Até que venha o meu Polegar Enorme, até que venha o vermelho da minha raiva.
E os comboios de patas para o ar apitem, com as suas rodas de bandeira portuguesa. Muito mascante a pátria. Eia, ó roedores de bandeiras!
Mas vira-te mosquito esborrachado, sulco da minha mente, cratera lunar na minh'alma!
Beberemos os conhaques inúteis, futilmente? Um bando de cossacos passar-nos-á pelo olhar, e nós a tremer, acocorados, borrados de todos os medos de TODOS?
Bem sei que a marcha erecta é recomendável. Mas e este andar de esguelha, quase atirado ao salto ridículo, este cair de lado dentro do perfil mais obscuro. Que raio- esses sábios com discurso: mas eu não quero encontrar-me com a humanidade. Não sei o que é, sou alérgico desde logo. Fujamos entre os raios de lua, aos tombos, com más caras!
E tenho que gramar com cada telemóvel. O mundo está cada vez mais estúpido. Cem mil vezes não sou daqui deste país, desta raça. Sou inferioríssimo, vendo pele tostada de caimão de imitação. Casei com uma cerveja morna. Fui enganado por todas as pernas de frango. Cornudos de todo o mundo, eu vos uni, para meu bel-prazer.
Entretanto este vagabundear por hotéis de luxo- Caramba olhei um homem de olhos nos olhos e disse-lhe não lhe parece que as nossas vidas se identificaram em tudo ao lixo? Não, disse com terror, o homem com olhos de moribundo. Quem quer a sua vida desfeita em turvações, arrebentamentos, livros enfadonhos sobre semicondutores e caspa de ápteros?
Bem, lá consegui sair daquele café do Ribatejo, com a menina monhé a fazer chamuças no lado mias pífio da Lua, e o homem marreca da moral, a falar com os cotovelos, traçando ângulos.
Tenho cá visto cada viúvo do maelstrom, entretanto. Sim eu sou raspas de jacaré, o náufrago que bebeu vitriol. Não posso com senhoras de cabelo esticado. Entretanto locutores hílares governam os vossos dias. Tanta voz adiposa! Tinha borbulhas no bigode o abutre! Eu quero lá saber de todos os ministros e do "sector automóvel"! Atirem tudo ao mar, a buzinar. Quero cá saber dos contadores de electricidades. O rusty man lambeu o pedaço mais suculento do diamante?

2.
As vozes dos homens sérios!
O Bidé perfeitamente explicado - a equação posta no queixo, entalada sob o braço. Enfio-te a minha equação pela narina acima! Francamente vejo mais DEus num festim de tubarões do que num concerto de carneiros. Deus, esse eus. Como não ver que é safadíssimo, asmático, temporário - um pobre diabo o deus inerme das vossas sacristias. Cá por mim não escrevo por cima de curitas, nem de aguardente aldrabada. Vendo pirofosfato da árvore do enforcado!

0 Comments:

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home