/* PRIVILÉGIOS DE SÍSIFO 反对 一 切 現代性に対して - 風想像力: 2007-05

PRIVILÉGIOS DE SÍSIFO 反对 一 切 現代性に対して - 風想像力

LES PRIVILÉGES DE SISYPHE - SISYPHUS'PRIVILEGES - LOS PRIVILÉGIOS DE SÍSIFO - 風想像力 CONTRA CONTRE AGAINST MODERNISM Gegen Modernität CONTRA LA MODERNITÁ E FALSO CAVIARE SAIAM DA AUTOESTRADA FLY WITH WHOMEVER YOU CAN SORTEZ DE LA QUEUE Contra Tudo : De la Musique Avant Toute Chose: le Retour de la Poèsie comme Seule Connaissance ou La Solitude Extréme du Dandy Ibérique - Ensaios de uma Altermodernidade すべてに対して

2007-05-31

À PROCURA DE MIM MESMO

O tédio dos grandes supermercados ronda as minhas calvículas, mas não lhe dou guarida. O xanax dos grandes semáforos quer pousar no meu lobo pré-frontal. Egas Moniz era um ectoplasma. Tinha só cerebelo, de cartão.
Afino os uivos de Teixeira de Pascoais, por estes dias, em que tenho a oitava cor do arco-íris: a lama, servindo-me de alma sobresselente. Movo-me pela grande esterqueira de asfalto e cimento com um grande dedo de veneno. Escrevo vitriol em toda a parte. Nasci de uma crise de Sol na clave da Lua.

À PROCURA DE MIM MESMO

Só vou à praia vestido de fraque, com uma medusa na botoeira. Do largo, o peixe que vigia os nossos gestos de beleza franze o sobrolho. Nunca nada é suficientemente perfeito para ele. Só vou à praia enfeitado de gritos de afogados nos cabelos. Sou um espantalho da contemporaneidade, um páraraios das profundidades.
À minha roda há crateras, na praia. Não tenho o Olho de Apollinaire dentro de um triângulo por cima, de cima do cimo. Vê-se logo que tenho duas partes esquerdas. Piso todas as bandeiras, menos a minha - a de Jackie Logan e a de Sinbad. Agarro num búzio. É ele que me sopra. Não há jardins zens nenhuns no meu pensamento. Falo areia e vento.

À PROCURA DE MIM MESMO - Blogo, logo penso

Procura-se Eurasiano, de 180 cm de altura, cabelo desgrenhado, sal e pimenta, nunca se penteia, barba por fazer. Veste impecavelmente como um Lorde, fato de linho branco, camisa de seda, botões de punho de ouro, gravata do Picadilly. Diz palavrões em todas as línguas da terra. Olhos verdes, amarelos e ruivos como os semáforos. Escoiceia. Tem veneno. Licenciado em Pirofosfato. Pinga vitriol. Escreveu o Tao do Snob. Cheira bem.

DEVIA HAVER CINCO GREVES GERAIS POR SEMANA









Ontem por aqui pelos meus domínios foi um dia limpo como um domingo novo. A classe torturada, tripaliada, dos trabalhadores bem como as vozes feias do patronato e a dos sargentos de oficina estiveram em silêncio. Não se ouviram brocas, berbequins, martelos, bull-dozers, ruídos de obras, metais em entre choque. Diminuíram imenso os chamados veículos motorizados nas estradas. Baixou o nível de som dos aviões. O esterco sonoro da chamada civilização industrial foi diminuto. Não houve futebol. Nem Fátima. Foi um dia estranhamente sábio, santo e leve.

Devia haver cinco greves gerais por semana.
Íamos à pesca.

O trabalho como o entendem os nossos governantes não liberta. Aliena, massacra, tortura e torna tudo e todos mais feios e tristes.

Il faut saluer le travail nouveau! disse Rimbaud. E um dia de greve geral permite ver que extraordinário e refrescante é viver sem o travail vieux. Empapado de ressentimento, de dor, de tristeza, de rotina e de vil montonia por todos os lados.

2007-05-30

HOJE HÁ GREVE NO SÍSIFO

ESTAMOS EM GREVE CONTRA O GOVERNO

2007-05-29

OH! UM POEMA DO J.L.BORGES






Os dois primeiros versos tornaram-se clássicos:

Que outros se gabem das páginas que escreveram

a mim orgulham-me as que li


Que otros se jacten de las páginas que han escrito;
a mí me enorgullecen las que he leído.
No habré sido un filólogo,
no habré inquirido las declinaciones, los modos, la laboriosa mutación de las letras,]
la de que se endurece en te,
la equivalencia de la ge y de la ka,
pero a lo largo de mis años he profesado
la pasión del lenguaje.
Mis noches están llenas de Virgilio;
haber sabido y haber olvidado el latín
es una posesión, porque el olvido
es una de las formas de la memoria, su vago sótano,
la otra cara secreta de la moneda.
Cuando en mis ojos se borraron
las vanas apariencias queridas,
los rostros y la página,
me di al estudio del lenguaje de hierro
que usaron mis mayores para cantar
espadas y soledades,
y ahora, a través de siete siglos,
desde la Última Thule,
tu voz me llega, Snorri Sturluson.
El joven, ante el libro, se impone una disciplina precisa
y lo hace en pos de un conocimiento preciso;
a mis años, toda empresa es una aventura
que linda con la noche.
No acabaré de descifrar las antiguas lenguas del Norte,
no hundiré las manos ansiosas en el oro de Sigurd;
la tarea que emprendo es ilimitada
y ha de acompañarme hasta el fin,
no menos misteriosa que el universo
y que yo, el aprendiz.

Jorge Luis Borges, Elogio de la sombra, 1969.

NO PAÍS DOS MUJIQUES









Lá está o apóstolo da união europeia, Sócrates, em viagem pela Rússia, iluminando aquele país de eternos mujiques, cuja horrível comida, o caviar, é ambrosia de milionários, e cuja horrível bebida, a aguardente de batata, tem feito desconcertos sigulares no hipocampo (zona do cérebro onde há mil Antónios Damásios emboscados, a explicar que o cérebro, meus senhores não é composto de massa cinzenta mas sim de massa azul! Por Baco!).
A nossa amada RTP mostrou, orgulhosamente só, um cartaz turístico de dimensões macro, posto numa Praça Principal de Moscovo. Está lá escrito ALLGARVE. (Lembra o novo logo do Público). Enfim, a mortífera geografia do Pinho-nhó-nhó começou a surtir efeito no país dos embasbacados mujiques.
E que foi lá Sócrates mendigar, digo, iluminar? Além de dizer que a União Europeia precisa da Rússia como ela precisa de nós, foi iluminar o embotado cérebro dos mujiques dizendo-lhes que há férias baratas em Portugal e estabelecendo o simplex dos passaportes. Acabaram os vistos complicados! Agora, vocês mujicada, podem vir dar palmadas de cerveja no fígado aqui no vosso ALLGARVE, uma cápsula de cerveja com vista sobre o mar.
Para adoçar a pílula levou uma moça de cabelo rente, platinado, à Beckham, e que imita a Amália, em versão pos-moderna e tem a felicidade de se chamar Mariza. As convulsões emocionais do fado, uma cantiga cujo carburante é o tintol barato e uma faca espetada na veia, e onde imperam as teorias mais duras do fatalismo, caiem perfeitamente no goto da choradeira mujique, da metafísica mujique, da religiosidade de vodka e campânulas de igreja em forma de mama dos mujiques. Assim Mariza, embaixatriz do ALLGARVE deve ter pré-prevendido dez milhões de resorts daqueles baratuchos para mujiques e operários da VW. E biliões de férias-cápsula, no tal de ALLGARVE, que dá eurol farto para o Pinhocadas.

Imagem: foto de Ícone Russo representando Deus

PALAVRAS DE PEÇONHENTA DOÇURA






Partilhar é uma palavra de peçonhenta doçura. Faz parte de inúmeros mantras escuteiros da modernidade. Partilhar afectos, por exemplo. Ao som de tremolos e trinados, grupos de bem intencionados sugerem: vamos partilhar afectos, e imediatamente forma-se, enternecida, com o músculo cardíaco nas mãos, uma pequena seita de encantados com a partilha, os Lucinda-alves daquém e dalém-mar. Partilhamos. logo somos. Não podem ser só por si, só podem ser porque são pelos outros. É este o princípio de base das fraternidades, desde a maçónica às mais maçadas e triviais, como as irmandades cristãs ou sunitas. Mas quem é que disse que as fraternidades não eram duvidosas? Compulsivas. Cheias de pressão dos pares. Autoritárias, sob o disfarce da doçura.

A etimologia da palavra sugere logo fendência, fraccionamento, quebranto. Uma pessoa partilhada, por exemplo, a mim parece logo um daqueles fetos dentro dum frasco de álcool, sem braços, sem pernas, sem olhos - partilhou-os, foi partilhado. Partiram-no.

O partilhar afectos pode dar muita marmelada secundária e dúbia. É bom para experiências transversais e osmóticas de adolescentes à procura-de-si-mesmos. Leva a um indiferenciado de género e de atitude. Mas, em boa verdade, um carro, uma caneta e lá por isso um/uma amante não se partilham.

Entretanto, já nesta campanha para a presidência da Câmara (mas porque razão as cidades não tem um Rei mago?) e vereadores (ainda não percebi o que é veradear) apareceram candidatos com arrebatos líricos do género "vamos partilhar a cidade."

Partilhar a cidade! O pior que aconteceu à cidade de Lisboa foi justamente tê-la partilhado com suburbanos de Almada ao Cacém. Nunca se devia ter partilhado a cidade com suburbanos. Eles com as suas montadas ou monturos metálicos chamados automóveis deram cabo dela. O voto de um suburbano devia valer 1/4 do voto de um lisboeta. Há circunstâncias em que é um dever ser belamente injusto e parcialmente democrático.



.

VIAGEM AO PÓLEN SUL












últimos dias para ver a exposição de fotografia, patente na Nouvelle Librairie Française, no 1º piso do Instituto Franco-Português, Av. Luís Bívar, 91.

CADERNOS DO VIAJANTE MÚLTIPLO






A primeira coisa que se aprende quando se viaja é que Portugal não existe.

OS CHINS










Pôrkera perdido em Pequim, depois de ter sido vendido pelas duas namoradas, consegue dar uma lição de antropologia prática
:

Estou enrabascado nesta cidade que parece uma galinha com testículos, ou a quinta pata duma zorra e por isso para passar o tempo que aqui vem todo dentro de umas caixinhas de plástico lembrei-me de um entretém: tenho olhado prós chineses como se fossem bichos. E já que as falas deles, não são como a dos nossos fiscais de Cristo, nem como a da panelagem linguícica, de dicionário em punho, que me emprestou o décimo nono amante do nosso cônsul, de acordo com o seu modo de falar dividi os chinas nestas categorias:

o china abelha zune, ou zumbe; o china águia grita; o andorinha chilreia, gorgeia, trinfa, ou trissa; o bezerro muge; o bode bodeja; o burro zurra, orneia, ou orneja; o cabra berra; o cachorro gane, ganiza, ou late; o camelo blatera; o canário canta, gorgeia, trina, ou trila; o cegonha grita, ou glotera; a cigarra canta, ou fretene; o cisne canta, ou arensa; o coelho chia, ou guincha; o corvo crocita, ou grasna; o crocodilo chora; o cuco cuca, ou cucula; o elefante brame, ou urra; o gaio grasna; o galo canta, cucurita, ou cucurica; o lebre chia, ou berra; o leitão cuincha, ou cuinca; o lobo uiva, ou ulula; o mosca zoa; o mosquito zumbe; o ovelha bale; o pardal chilreia, chilra, ou chia; o pato grasna, ou grassita; o pavão grita, ou pupila; a pega palra, tagarela, galreja, ou galra; o peru gruguleja, ou grulha; a raposa regouga; o rola geme; o rouxinol canta, gorjeia, trina, ou chilreia; o serpente assobia, ou silva; o urso brame, ronca, ou ruge; o veado brame.

Esqueci os chinas batráquios e os chinas bacilos e os chinas bactéria. Também tenho visto chinas com cara de iogurte.

E como são milhões e milhões deles a grugulejar, cucar, regougar, cuinchar, etc. ao mesmo tempo e a cada momento já se percebe o som que vai por aqui no meu cerbero.

itálicos snobs de Lorde Drummond gozando com o falar das massas.
Texto de Porkêra: Depois deste feito
Licenciado em Linguícica gorda e magra, por Nós, Lord of Coat of Arms, de Herdade e de Juro, Senhor de Stobhall e da Holy Fountain de Portugraal.

2007-05-28

BICICLETAS DO DRUIDA

PRESIDENTE DE UMA CIDADE INEXISTENTE

Dado que a política tem tudo a ver com o ilusionismo, e pode ser considerada como a "arte do dissimulável" nomeio, decreto e promulgo presidente da câmara quem aceite ser presidente de uma cidade inexistente.

UMA ESPÉCIE DE RAIVA NA TARDE CALMA

aqui no alentejo
caiado pela alma
não longe de Odemira
vejo as mulheres escuras
que devoram a planície
tem olhos violados
pelo Sul

não davam para deusas
nem mesmo daquelas ctónicas
com corcunda gótica
dos poemas danados
de baudelaire

mas cerram as suas maxilas
de insecto implacável
e arranham a seara
com dedos de basilisco
e aos peitos
criam dentes
furados de fomes
mais antigas
que a chuva
mais jovens
que a primavera

não dançam
tem o passo lento
das profundidades
espalham o enxofre
da sua raiva
maior do que
o pensamento

e estão agora na esquina
dos montes
azuis e douradas
como a fuga
e a alvorada

2007-05-27

SHUNYATA DHARMATA

cada concha é uma escada
e um deus morto
por outro
à dentada

o muro do mar o meu murmúrio
e dos teus olhos saem sósias
de pérolas, piratas, pagaias lentas
enquanto o verão nos fuma
com seus odores lentos

coleccionámos sombras, símbolos,
seguros de que o Sul tudo sabia
mas afinal
entre vogais, ventos veementes
e as vibrações velozes de vidro vento
tivemos um acidente
de alfabeto

Voltámos a subir
o Parnaso primordial
trocando de papéis no plural
eu vários
tu a mesmidade, a raíz rouca
do castelo rouqueiro
a montanha que se foi
com o mar

ouvimos a saga dos Nibelungos
na telefonia errada
Mariana não tinha
República
e esta não tinha sentido
para a seda quieta dos seios

dos telhados vadios vazios
pingava a cabra do dia
cada anúncio luminoso leite
decidia sair da pátria
e a tinta negra do choco
mudava as sete cores do
arco
iris

eu sempre fui pirata
depois da subtileza
e atirei-me à atracção das vagas
penúltimas
enquanto o abismo com o
seu monóculo de golfinho
em grupos, gaffes, ghettos
nos incluía na primeira filosofia
das terceiras margens
de cada rio
e tu rias com a tuba
colada na ameijoa

sabedor de cidades saídas
de incidentes numa estrela pura
pátria de nobres párias









2007-05-26

AS AH!LUCINAÇÕES DAS ELEIÇÕES PARA A CÂMARA

Num mundo que é a cidade onde as periferias estão justamente cheias de homens periféricos que são vampiros passivos - tudo se passa em realidades paralelas. Os comboios que enfardam gente nas antigas babilónias de Oeiras, Cacém, Amadora são um lençol de ferro que corre sobre carris de ferro. Os caminhos de ferro impõe um caminhar de ferro, sempre entre linhas paralelas, entre vidas paralelas. Despejam pessoas caminhadas a ferro, semielectrocutadas, adaptadas a um destino linear.
O nome de arquipeido ou de arquipateto é o adoptado pelos arquitectos contemporâneos. Cada prédio desenhado pelos arquipatetos contemporâneos é um Vazadouro Rectangular, um caixote de pessoas, um espremedor de destinos. Em cima de cada prédio Quem está? Quem está? Quem está?
Está uma Bocarra que chupa a dentadura desdentada da tua avó.

TEORIAS SOBRE AS CIDADES

Contrariamente às fontes oficiais que afirmam que Lisboa assenta em estacas, a verdade é que Lisboa está assente em poleiros. Se se procedesse a uma desmatação de poleiros, onde pululam psitacídeos diversos, a cidade caíria, sorvida por Hades.

DESCRIÇÃO DA PJ

Eis como a PJ, americanizada, descreve um suspeito:

«Caucasiano, com 35/40 anos, físico mediano, 1,70 m de altura, cabelo curto na cabeça e comprido no pescoço, vestia blusão escuro, calças claras e sapatos escuros»

Caucasiano
? Termo americano anglo-saxónico para designar "branco", tirado certamente dos manuais de polícia ingleses e como se sabe de uso corrente na língua portuguesa...


Físico mediano. O que é um físico mediano? Um físico bom para os media?

1,70 m de altura? Altura média do português.

Cabelo curto na cabeça e comprido no pescoço. A PJ inova na anatomia. Esta frase dá a entender que o cabelo não só cresce na cabeça, onde neste caso é curto, como também cresce no pescoço, onde neste caso é comprido.

Enfim em vez desta descrição anatomica e racialmente controversa de burocrata sem sensibilidade para a língua portuguesa porque não dizer em linguagem quotidiana que toda a gente compreende imediatamente :

Branco, na casa dos trinta, nem gordo nem magro, altura média, cabelo à Rod Stewart, vestia blusão escuro (como três milhões de portugueses), calça clara, e sapatos escuros.

Caucasianos!

canção de ninar nos tempos socráticos








le p'tit bonhomme Sarko
a dit que le gnome Socra
tes avait un pti't air de Blair
tan tan tir, tire lire laire!

et le gnome très paon
fut tout à fait ravi
car il aime la rénommée
tan ti ti, tire lire li!

car comme chaque p´tit
bonhomme il aime aime
avoir une grande rénommée
tan tan di di, tan di lai!

et maintenant donc, ses asseseurs
et maitres conseillers
à pleine vapeur font
pata pon di di, pata et patapon!





2007-05-25

JÚBILO DE FAUNO SOLITÁRIO

Maravilham-me os meus cascos de fauno
a terra morde-os com boca de rosas
saí nu pela manhã ardente
vi maçãs, laranjas, pomos de ouro
e as cores das maravilhas
zebraram-me a pele

outro Solstício no meu labirinto
vogou até mim com as velas
abertas como uma noiva da imensidão
e eu fui relinchado pelas nuvens
salpicado do pó do sete estrelo
sagrado por Zeus! por Véstia
perfumado

tomei morada neste andar nómada
incerto, sem objectivo nem destino
e um arrepio abala-me a coluna
uma flor de mil pétalas
sopra-me uma brisa fresca
no alto do crânio

mas que vida linda a minha
salto penhascos, cheiro estevas,
os arco-íris da relva negra
acariciam-me a pelagem
vida de sábio em Atenas
não quero, mas quero a túmida

azeitona, a sua carne, o sexo
de cada árvore, depois
dos jogos gregos e dos prazeres
latinos, o vento alcíone!
e a corrida em pólen puro
até junto dos flancos

da deusa, a que se dobra a rir
com os mamilos duros,
entesados pelas asas
das borboletas, asas rijas
de mestras de navios da folhagem.
errância pura, irresponsabilidade
do desejo, desporto puro

e soa-me o mar nas veias
e de vinho enchem-se-me
as praias do cérbero
que novidade em tudo!
tiro êxtase de cada gesto
movo-me sob o sol exaltado
levei o mercúrio à fonte
abri a teta de maio espigado!


2007-05-24
















Quando um político diz: sejamos sérios é porque se prepara para dar uma golpaça .

Em Portugal não confiamos em ninguém porque sabemos que seja quem for é tão malandro como nós.

De vez em quando há um desgraçado que passa cinco anos seguidos em Belém, e julga que foi eleito pelas suas ideias. Quais? grita à varanda que dá para o jardim, nas noites de tempestade, quando ninguém o ouve e por fim pode ser honesto. Ideias? Detesto ideias! E nunca tive nenhuma que fosse minha.

Há pessoas que se põe nos bicos dos pés para parecer mais altas, outras, mais práticas, cortam as cabeças à roda para o mesmo efeito.

A ilusão de uma vida eterna é importante demais para ser deixada apenas às igrejas.

A diferença entre a prisão e a sociedade é que na primeira é obrigatório ir para a cama a certas horas, e na segunda há camas obrigatórias.

Os moralistas em geral são ladrões dos prazeres alheios.

Quando há grandes correntes de ética as nações entram em curto-circuito.

Esperar que venha um Rei Filósofo é a base do optimismo ingénuo, mas quase sempre os reis são patetas e os filósofos reis renegados.

Viver no mundo actual é absurdo, mas não viver nele é uma tragédia.

Em metade do sistema circulatório do homem moderno corre asfalto.

Se a pessoa não recita um poema inúmeras vezes é porque não presta.

Nunca soubemos como terminavam os poemas do Bardo Assurenacétourix, mas é admirável saber que a poesia mais eloquente é a que continua a falar sob uma mordaça.


Foto: un château en Espagne


eternidades






Uma juventude eterna, coisa tão aborrecida, sobretudo se nunca mais houvesse outra música que a das guitarras do socialismo ou da sociedade dos espectáculos colectivos.

HASCHICHIN'S SONG

I will kill this sunset
for your lips
and bewildered
by your disappearance
switch to moonlight
hiding
before the double swans
start
their cruel lake
makebelief.

2007-05-23

POEMA CONTRA O EMPOBRECIMENTO MÍTICO

Se eu fosse um lusitano antigo
saberia de máscaras de granito
e por acender um fogo escondido
veria renas, lobos, centelhas
de firmamento em corrida

desceria a montanha sem trocar
de pedra, num fluido liso
igual ao som do picar
da águia sobre a presa
e num riso feroz afundaria

a cara num lago azul, azul
como o meu sangue de corredor
de pés nus, consagrados
pela relva húmida
da alba

ao ombro tranportaria
um porco bravo, cujas
cerdas me tocariam na carne
provocando espirais
de cores na coluna

teria uma saliva doce e áspera
mordida por amoras bravas
perfumada como a esteva
e o rosmaninho
feita por roedura de ossos

e amaria como a manhã ama
sem hesitações o corpo
da mulher ardente
que se torce como
uma chama



2007-05-22

DEPOIS DE VER TELEVISÃO







Há sempre graves carências de estupidez, por isso ela está sempre em alta, e nunca é suficiente para a procura.

A VAIDADE DO PÚBLICO






Muito se tem falado sobre o ego e o narcisimo e a vaidade dos actores. São de resto indispensáveis. Uma pessoa que adopta sucessivas personalidades, tem que sentir vaidade nisso. É um feito enorme, só dado a semi-imortais, ser outro. Entretanto, para que um actor subsista sem nenhuma personalidade definida tem que ter um narcisimo à prova de bala. O ego também é indispensável para que o actor recorte e vinque as suas personagens com oxigénio, ruído e aquele a mais de uma presença forte.

Isto tudo não é lá muito novo nem original (sendo que o novo nem sempre, ou mesmo raramente, é original), Mas seja como for, nunca se fala da vaidade do público. E se há públicos vaidosos! O do Scala de Milano, por exemplo, tem vaidade no seu teatro, que parece um navio almirante todo em dourados, e nos seus actores e em si mesmo, porque ele decide. Decide várias coisas, o bom tom da roupa que se leva, o futuro da peça, o sucesso dos casos amorosos públicos e notórios que se dão a ver nos intervalos e durante.
Também no teatro de São Carlos o público, por seu turno, é um actor de primeira grandeza doutra peça fora da peça, a da comédia social. E sabe bem que vai ao teatro por vaidade, para ver e ser visto e "estar a par" com o que possa haver de novo e original, e não menos importante, para ter algo de que falar e poder dizer "eu estive lá". De resto a história, a política e o teatro só tem sucesso se souber tornar seu íntimo e confidente o seu público.
É esse o segredo das grandes gueixas, dos actores, das grandes damas e mesmo dos porteiros de discotecas, que são um pouco de tudo isso: confiar absolutamente, sem transigência nem falha de continuidade, na vaidade do público.

2007-05-21

PROVÉRBIOS DO ZÉ PORKÊRA














O inefável Porkêra meu sócio e assalariado, que devia já estar a trabalhar nos vidoeiros, e a podar as oliveiras do meu Castelo, conseguiu escapar às duas namoradas chinesas que o tinham vendido, algures a Oeste de Pequim. Mandou-me tudo isto em SMS, vejam bem, probérbios com palavrões portuguesíssimos , saborosos como melancias, picantes como as olheiras maliciosas do Zé do Bordalo, e ei-lo Porkêra depois do seu Inverno em Pequim, fresquíssimo, a debitar imparavelmente uma série de provérbios:

Caviar para as massas, ópio para os parvos, porra para os ricos, moca nos padres e o mundo seria feliz como o cão sarnoso de São Bernardo.

Não se catam putas, com actas e minutas.

Não te fies em câmaras, nem em vinho de tâmaras.

Toda sardinha tem uma madama na salinha.

É mais piroso um invejoso do que um merdoso.

Mais vale ter dinheiro na mão do que num banco porreiro.

O pior porco come a melhor pérola.

Quando estás na cama com Santa Luzia, cuidado com a tua tia.

O cu tem muita vista, mas é pouco visto.

Casa gamada, casa com muita fachada.

Quando o passarinho pia, não te peides durante o dia.

Por fora espuma de rosas, por dentro fedor de pirosa.

Qunado o camelo é mole todos o porram.

Quando há poemas na sanita, bem alta foi a caganita.

O dinheiro faz dinheiro e muitos amigos.

Quem levanta cabras, empina cornos.

Quem com plástico come, com plástico se fode.

Quem o corno ama, tem duas vezes corno.

Quem só a si se ouve, só ouve um sino.

Quem prega a cona da velha, não poupa a zarolha.

Mula branca e pata negra, muita tranca e pouca pedra.

Quem quer azeitona, apanha a lona.

Bandido que ressona, sai-lhe ouro em vez de goma

Rato rotineiro acaba sem sexo e dentro do tinteiro.

Ninguém lava o sexo com a água dos pobres.

Cão com sarna, dona na sorna.

Cidade ranhosa, gente manhosa.

Ruas sujas, gatunos e garatujas.

Quem escarra contra o vento, esporra o seu pensamento.

Cagalhão de advogado, caganita de suicidado.

Se esperas que te ajudem, enforca-te primeiro.

OS ROBERTOS DA CÂMARA





















Comunicado dos Ossos Que Brados do meu muito Querido Avô Dom Afonso Henriques:

Já estamos a ouvir uns apelos missionários para salvar Lisboa por parte do fornido rapaz Costa, que não deve ter engordado a comer restos de floresta ardida, e do jesuítico e espinhoso Negrão - só mesmo em Portugal se inventava um avatar do Pio XII assim para pôr por cima de uma jarra de manjericos - e um gordo transétnico, vindo direitinho dos livros do Gilberto Freire, e que tão bem fica ao lado do zé do bordalo.

No fundo, temos teatro de Robertos ao vivo, sendo um dos duelos principais entre o Bucha e o Estica, entre o Negróide e o Negrão, entre o que fugiu dos fogos e o transfuga de Setúbal. E ambos, um com sorriso sensodyne, o outro com um esgar de sorriso (porque não tem lábios, comidos pela sua severidade implacável) ameaçam recuperar a Câmara, devolvê-la à sanidade fiscal, e vão-se ouvindo as palavras fatais como "rigor".

O Bucha vem apoiado pelo Ayatollah dos advogados, o Maioral da terra pouco eficaz dos advogados - essa espécie de infelizes que só prosperam na razão inversa da desgraça dos outros - o José Miguel Júdice. Manifestamente a querer sobrar do seu blazer de capitão azul, o homem que tem boa pinta de fidalgo do século XVIII, não sabe o que há-de fazer ao lado do Bucha. Mas aparece como um aval. Uma pessoa padrão. Uma conta bancária de peso em forma de pessoa que está ali para dar seriedade ao Bucha. Além dele, temos o lendário Saldanha Sanches, o terror das mafias, o pequeno mas grande homem, de olho esperto, sabedor que está também ali a mais, num maio 68 com panos púrpura e tótó, cimentado, numa primvera de 61 na Reitoria de Lisboa, passada a ferro e a cheirar intensamente a naftalina. Ma che cosa fa, ó SS nessa descompanhia? Duas pessoas em que eu ainda acreditava. Francamente Saldanha, era melhor ter impulsos ducais, sonhar mais altos voos, ser D'Artagnan e não o third man do Sancho Pança.

Será que ambos sentiram impulsos espirituais de ordem diversa, por Lisboa e pelo novo partido autoritário, o PS, e ambos em posição de contra peso e aval se somaram ao Bucha Costa, de voz de barítono, hipnótica, treinada para dar um tom de Germinal e de Robespierre, de Santo Cura d'Ars e de Robert Fillon, lateral, à parada das vozinhas do choque tecnológico?

Vejamos os outros candidatos- Tendo por bom que Helena Roseta é uma mulher, ainda que evoque imediatamente um bulldozer, ou uma panzer division, de hormona mista, compactada num só heterónimo com vocação de borboleta partidária de todas as cores, que esperar de uma ziguezagueante Sra.Thatcher de esquerda-direita, iluminada pelo Espírito Santo há trinta e tal anos, para combater a injustiça? Bom será que cite Yourcenar, que lhe capte a essência com que ela vê que o poder é uma sexualidade suplente, um ersatz dela. E que só vale a pena tê-lo em pleno, porque há coisas que não se partilham como o carro, a caneta, o amante, e mesmo, devo dizê-lo a cidade.

O senhor doutor Portas, que grita a falar e martela muito com a mão e a sílaba, mais sábiá do que sabina, escolheu uma cambada de cueiros. Não se pode ser toda a vida um menino bem? Pois não, chega uma altura em que é preciso sair debaixo das saias do papá e das calças da mamã, e com voz grossa pedir um conhaque, francamente, e dizê-lo a toda a gente, mesmo diante do olho russo putineiro, e do jeito hipnótico dos olhos do galego, com sangue de aviador. Carrapetos me escumalhem, se escolher o nefável Telmo, com ar de magrebino aflito com a divulgação do seu QI secreto, não é uma parada de anti-génio? É livrar-se logo das moscas mortas, pedir-lhes martírio pela minha causa. Já é terrivel chamar-se Telmo: o que para ali vai, naquele subconsciente atarantado, de óperas de província, de livros de Minou Droet lidos em segredo, de borotalco Ausónia aplicado precisamente na mente!

Farfalhado pela nicotina - o enfisema tem muitas primas - o senhor doutor Monteiro depois de ganhar um lugarito ao Papão Gardénio Obscurobisness, lá no deserto mental da Madeira, apresenta o seu nó de gravata para um lugar na Câmara. Não há nada de estranho na condição, destino e vida dos ectoplasmas, estão sempre a aparecer, avatarizam~se, fosforescem daqui e dali, osmotizam-se, lançam um perdigoto cognitivo qualquer, como pátria, deus e família e pronto, o truque está feito, o tapete vermelho lançado. Lá veremos um montinho de monteiros elegendo raíz quadrada de menos um.

E que dizer dos escuteiros de Lenine, dos missionários do paraíso operário, dos testemunhas de jeová do barbudo Marx, que enganava a pobre da aristocrática Jenny com a sopeira? Esses ressentidos permanentes, com o brilho de pele peculiar dos burocratas tem o dom de parasitar eficazmente várias autarquias, e de ter um chicote manso e rotativo sobre as costas do bom povo, que leva sempre no cuzinho. O Ruben de Carvalho, no entanto, escapa ao estereotipo de santo comunista, com fervor profético na voz, de dedo enrijado no apontar da injustiça. Se fosse russo seria um aparatchik bon vivant. Já tem a rotundidade brejneviana, talvez seja um prazer beber vodka com ele e contar umas velhas piadas sobre os três pares de botas do Botas

Entretanto o Sócrates, um Maquiavel feito de lego, estica a perna disfarçadamente nos bastidores. Armou uma bela cilada ao país. Que se lixem os incêndios (e já não havia verba senão para dois helicópteros, e os aviões não estão comprados, e o novo juíz-ministro, de beiçola caída, que fugiu da Justiça já dá avisos de imperativo nacional e dever cívico e outras possidoneiras políticas que tais e conexas por cima das quais voam traças e se enroscam vermes) e que se lixe o Bucha! Mas, apesar da pernita marota, estendida para fazer cair o ideoso Bucha, o governo, nem sabe como emagreceu, com a saída do seu Otelo monhé e brâmane. Dantes, o governo só podia cair num só lugar. Agora vai cair em dois ao mesmo tempo. É o que dá não ler Séneca a horas nem se avisar com Parménides, nem perceber César nem o que é a deserção da sua girl-friend.

Não há dúvidas é que as pessoas que recentemente saíram de um partido para pouco depois enfileirar noutro, caso do senhor doutor pandita José Miguel Júdice, tem um ar transgénico, altamente embaraçado. Estão numa de estar numa de no man´s land, vivem ainda uma consciência ambivalente, não tem o olhar tranquilo, o processo de ruptura e de luto continua. Sente-se que nem dum lado nem doutro - sobretudo do lado a que chegaram, mas ainda não entraram - confiam inteiramente neles. Mas na política, as relações são milimétricas, descartáveis, sinuosas, efêmeras, medem-se poderes, não pilas. Contam-se votos, não se analisam ideias. Os políticos são todos rainhas más de Alice, com a cara fosfatada de boas intenções, com a mentira dourada. No fundo, a política é um jogo, de seduções, de passes, de plumagens, de belas sacanagens, borlas aos sócios, tiroteios escondidos, de perfídias venezianas, em suma, de punhais enterrados com um sorriso trácio, de permutas de lugar - um autêntico xadrez em partida múltipla para polichinelos em que é costume, mais tarde ou mais cedo todos acabarem com um enorme chouriço em vez do nariz.



(Por absoluta falta de tempo, não de simpatia, faltou-me escaqueirar o Sá Fernandes, o único que apesar de tudo me inspira alguma confiança) disseram as ossadas de D.Afonso Capet de Borgonha.

É DE SER ÍNDIO QUE EU FALO























assimétrico ao instante
como me podem ouvir?
falo de tão longe
depois da linguagem

depois de como um fauno moderno
com casco, caneta, proveta, revólver
e alucinações exactas
ter calcinado a paisagem das sílabas
descrevi a curva de Gauss das sibilas

e entrei nas passagens herméticas



















O homem largou a sua bicicleta
por cima de um soneto
e correu aos esses
pelas ruas de Bagdad

na rua entre o lixo
voavam as folhas de um
novo AlCorão
que semeava amores
nos ódios mais fiéis

a voz dos poetas de Bagdad
chegava aos fotogramas
digitais, somos todos
poetas arruinados nas ruas
de Bagdad

trazemos crianças explodidas
ao colo e deixámos de gritar
agora só os nossos olhos
lançam gritos

Foto, um poeta em Bagdad recita versos no meio da rua

2007-05-20

RENÉ CHAR

« Dans le tissu du poème doit se trouver un nombre égal de tunnels dérobés, de chambres d'harmonie, ainsi que d'éléments futurs, de havres au soleil, de pistes captieuses et d'existants s'entr'appelant. Le poète est le passeur de tout cela qui forme un ordre. Et un ordre insurgé. »

Sur la poésie, René Char.

O MAR É MACIO COMO A IMOBILIDADE, THE SEA IS SOFT AS STILLNESS

Fotografia de Chezza

four-in-a-row
Originally uploaded by chezza61.

2007-05-19

DO IRREAL ABJECTO QUOTIDIANO





















Ler o jornal o Público, ouvir o noticiário da televisão, actuam sobre mim como um soporífero.


Passar por subúrbios provoca-me uma má perplexidade e uma irritação de ordem estética. Como é possivel ter realizado na terra o ideal absurdo de viver em subúrbios? Vejo os subúrbios como níveis dos infernos tristes de Dante, como cidades doentes projectadas por sizas e isaltinos ainda menores.

Uma nova palavra, desesperadamente irónica surge: num inglês de viseu: isaltation.

Alguém que tem isaltation com tons de telemóvel concerteza já padece de um grau de surdez.

A ideia de concentrar tudo num telemóvel, fotos, músicas favoritas, videos, etc. mostra como se privilegiou uma forma "isaltina" de memória: tudo é pequeno, autista, maníaco e de qualidade duvidosa.

Acordei a pensar o que poderia ser um trovador digital, mas parece-me uma contradição insuperável. De resto a palavra digital nada tem de dedo, porque é baseada em formas geométricas pasteurizadas, enquanto o dedo, o dedo humano, é errático.

O dedo impressiona-se muito com a sua impressão digital?

O cineasta Jacques Tati foi dos primeiros a rir-se da pressa com que adoptamos os últimos gadgets da tecnologia, que talvez tenham um mérito, pelo menos, lembrar-nos daquilo que perdemos.

Não é Lisboa, é Oeiras que se expande. E a nova Oeiras está à espera do seu Jacques Tati.

Nós temos produzido do melhor absurdo habitacional que há na Europa.

Os comunismos produzem gerações de burocratas, as democracias de neuróticos.

Quem mais veste roupa dita de jovem são os urbanos velhos.

Hoje em dia somos todos suburbanos e isso é desastroso.

A CIDADE É MINHA, OS SUBÚRBIOS SÃO SEUS



Uma cidade nunca se deve adaptar aos seus subúrbios, são estes que se devem adaptar à cidade e desenvolver-se em harmonia com ela.

Mas em Lisboa o espírito suburbano quer reduzir tudo, e tudo adaptar ao estilo de uma série de ilhas suburbanas, Lisboa, o núcleo antigo, o centro, incluído.

A verdade é que os subúrbios de Lisboa, de Almada a Oeiras são isaltinos, ou seja horrorosos (excepto ocasionais núcleos antigos, raríssimos).

Numa cultura da sensibilidade nunca se teriam desenvolvido subúrbios como os actuais, fruto de negociatas entre patos-bravos e autarcas ignaros.

Lisboa está rodeada e já infectada por um muralha de prédios doentes, "modernos", "europeus" e incaracterísticos. Na verdade, uma venezuela na Europa.

2007-05-18

NO MORE


















já não há


já não há corvos na cidade
nem papoulas nos telhados
nem torpedeiros brilhantes
a entrar pela barra cobertos
de estrelas e de bandeiras

já não há eléctricos faiscantes
nem cavalos nervosos
nem gatos demorados
e japoneses devorando
as aguarelas do casario

encantado. Já não há palácios
com crime e paixão
apenas vidro e mais vidro
um rio vidrado
uma gaiola dourada

uma cidade que caiu
para o fundo do rio
onde passam
os grandes lavagantes
de luneta na mão



















Para S.M.
e in memoriam Guillaume Apollinaire

quando voltarás Maria
a cidade está silenciosa
os pássaros perfilados
por cima dos anúncios luminosos
e pela praia igual à minha dor
há pedaços de caravelas

não, não se trata de um filme
sobre o Império
quando voltarás Maria
à cidade dos labirintos
em que a mágica calçada
vem da Fenícia e dos jogos romanos

quando voltarás Maria
com os teus livros antigos
à frente do peito
chamando as árvores
e as bougainvilas
com o teu sorriso mais doce

que ameijoas e figos
quando voltarás Maria
com a tua insistência clara
e diáfana mais transparente
que os azulejos e igual
à luz que se foi com o rio

quando voltarás pela manhã
saíndo pelas palmeiras
que levantam a avenida
enquanto os anjos
da má vida sublinham
as olheiras com vermute

quando voltarás com as tuas
saias de Inês de Castro
e o teu corpo de sete partidas
com todo o mistério lento
de quem sai de Portugal
para sempre e para nunca

ah como a vida é lenta
e a esperança violenta
e tu nunca mais voltas
com as ancas como nuvens
descendo a avenida
que os faunos veneram

e os poetas chamam
há milénios com o coração
ardendo como golfinhos
novos na floresta
do desejo e do entendimento
enquanto os cais se iluminam

e as noites se unem
à roda dos teus tornozelos
de loba pura, de corça,
de sereia e de maré cheia
para que as colinas
se inclinem pela claridade

e cada olhar se ilumine
da imensidão do mar
que tu trazes em cada passo
quando voltarás Maria
à cidade dos tristes
trucidados pelo labirinto

esquecidos das gaviotas
cortados pela maresia
com os olhos em maré baixa?




A caligrafia chinesa é ao mesmo tempo desenho puro e poesia. Além disso, segundo os princípios que a informam transmite uma qualidade particular de energia, chamada "Chi".

VINHO





Evolução do ideograma chinês para vinho

ABOUT US, PORTUGUESE


Though we were a formidable empire, we are now a small country, ten times bigger than Luxembourg. We specialize in dreaming, and we pretend we still have the universe at our feet when we go out to the Café.

The Café is the ontological meeting place where every day every portuguese worth his salt corrects the fallible Universe. We like to be there, joking about our rulers and politicians - a constant circus - and cracking jokes about ourselves. We target ourselves. We practice auto-shooting.

We also specialized in a baroque way of thinking, s
o, never ask a linear question, a straight question, to a portuguese. Though we have some infamous architects, with a world recognition, like Siza who loves straight lines and monolith volumes (We think he was the designer of the Caaba, in Mecca, that old black cube), we don´t like them. But we allow them to be there scheming. Like that we can have a fresh supply of maledicence. Our answers take time, and usually they have a tendency to reproduce one of the many forms of the labyrinth.

Catholicism in our country is strange. It had a strong hold on everyone´s mind. There is still a place of pilgrimage for old women of all sexes and ages called Fatima. There are also a lot of old churches everywhere, and some very beautiful indeed. Now, the truth is that although priests are supposed to reamain chaste and live in celibacy, most of us descend from a village priest, or a powerful bishop. (Difference between them being that the modest priest had 2 or 3 children, the powerful bishop, some 20 or more) Now, catholicism is like those old cars we keep in the garage, and ride it once in a year.

There also a lot of new sects. It's even amazing the capacity we have to welcome even the most far fetched sects. Recently we had the sect of the Blue Martians of the Second Advent. They were not precisely gentle lunatics. Like the Hare Krishnas they were a lot of time out in the streets, dancing and saying mantras, with their faces painted in blue. They practiced agressive advertising, like scientologists. They had one utopia: to conquer the government of Lisbon, our wonderful capital.
They still want to have a Martian ruling the town. They probably will. Because they have gone underground. And we love secrecy, impossible agendas, idealisms of every kind.

People like the recently elected Sarkozi, the French president, with their appeals to hard work are aliens to us. Though, here, every politician speaks about improving productivity, and working harder, everyone knows that that is colateral speech. Basically, we like to be idle. Northern and puritan values as hard work, organization, schedules and such are contrary to our mediterranean take it easy, we'll see it later, tomorrow we'll fix that.

We find work to be such an oddity that when a portuguese is working 3 or 4 others are observing him.

Our relationship with time is odd, too. Tomorrow, to the despair of germans and method oriented people, though someday eventually comes, is wayward. As we freely and nonchalantly mix past with present, and future with past, we can say that our past is our future. So tomorrow takes place yesterday. Present time is honorary. As a dreaming people for us the now is just oniric. Some say we are still people from Atlantis waiting for the good news that it has re-emerged.


HIMALAIAS








Não me interessa subir ao alto dos Himalaias, quero coisa mais difícil e ousada, quero subir até ao alto de mim e depois continuar a subir.

2007-05-17

OS GRANDES ARENQUES FUMADOS, série de péssimos presidentes da Câmara de Lisboa


























Quase todos! eis os
Grandes Arenques Fumados:

Álvaro Salvação Barreto, tenente coronel que estabeleceu a censura no tempo de Salazar
António Vitorino da França Borges, um general do antigo regime e sequaz do mesmo, muito apagado
Fernando Augusto Santos e Castro, engenheiro
António Jorge da Silva Sebastião, mais um tenente coronel do regime salazarista
Nos pós 25 de Abril a massacrada cidade não teve melhor sorte. A escolha de figuras aberrantes, sem uma única ideia de cidade continuou.

Aparecem a seguir aos salazaretos duas pessoas que já quase ninguém sabe quem são: Caldeira Rodrigues, oposicionista, e Lino Góis Ferreira e passa-se para

Aquilino Ribeiro Machado, notável mediocridade, figura republicana honorária, filho do "terrorista" Aquilino Ribeiro
Nuno Krus Abecasis, conhecido como o Abacaxi,destruidor do Martim Moniz, entre outras abacaxadas
Jorge Fernando Branco de Sampaio, um Hamlet




sem pulso e sem visão, que teve uma governação anémica, com pouca atenção para a salvaguarda do património




João Barroso Soares, fils-à-papa, sem obra, sem chama, sem conservação do património

Pedro Miguel de Santana Lopes, o contratador confuso de arquitectos estilo Disneylândia como o Gehry.






Os próximos candidatos que se perfilam no horizonte não auguram nada de bom, excepto Helena Roseta e o Sá Fernandes.

Veja-se o "polícia!" Negrão, candidato do PSD : está arguido há 6 anos num caso! Uma sinistra moda que se instalou em Portugal, esta de ter arguidos como candidatos a autarcas!

António Costa, candidato do PS, um
political-climber, que salta postos ao sabor do oportunismo, um controleiro, responsável pelo futuro bilhete de identidade que pode preceder o chip. Responsável pela introdução do chip dos cães, o segundo rosto do socialismo totalitário.







A presidência da Câmara de Lisboa tornou-se um cargo político, uma rampa de lançamento para mais altos voos. Por isso as mediocridades douradas saltam para ele com o aval dos seus partidos.






Já foi há uns meses mas pode ser várias vezes por mês

2007-05-16

CRIME CONTRA A CIDADE

Se houvesse lisboetas apaixonados, e com tusa, ao abate dos plátanos do Campo Pequeno devia seguir-se o abate de cada Centro Comercial que abate árvores. Por cada árvore abatida injustamente Sete Centros boicotados.



CABECITAS FILTRO


As Cabecitas Filtro são Ponto Um Ponto dois. Parecem dar um resultado organizado, clean, minimalista, racional, compreensível, sintético. Mas isso não passa duma superstição. As cabecitas Ponto Um Ponto Dois dão caganitas cognitivas.

IABÉ IABÉ


065D17326
Originally uploaded by Paulgi.

IABÉ MARIA





Com fundo de pedras tumulares empinadas, o
verdadeiro espírito de Fátima, um espírito de óculos escuros, uma menopausica que teima em ser virgem.


Foto de Paulgi, clique na foto para aumentar
.

UM ET PARA A CÂMARA DE LISBOA, JÁ!


Já que não há gente para a Câmara (ó PSD chamar um ex-polícia para a Câmara de Lisboa! ó PS chamar um homem que estava a organizar o combate aos incêndios! Ó PC chamar um crente em Marx e Lenine!) chame-se um Extra-Terrestre.

Foto de Paulo Gi, um excelente fotógrafo português.

GREEN HOUSE EFFECT IS FAVOURABLE


German Biologist: Global Warming Is Good For US

Spiegel Online
Wednesday May 09, 2007

Biologist Josef Reichholf discusses the benefits of a warmer climate for

animals and plants,large cities as centers of biological diversity and the

myth of the return of malaria.
Josef Reichholf is unconvinced by those who argue that global warming

will threaten animals and plants with extinction, and cause malaria to

spread in Europe.

SPIEGEL: Mr. Reichholf, are you worried about global warming?

Josef Reichholf: No. Personally, I'm even looking forward to a milder

climate. But it will also not pose any major problems for mankind

as a whole.

SPIEGEL: Where does your optimism come from?

Reichholf: The vast majority of people today already live under warmer

and, in many cases,
far more extreme conditions than we pampered Central Europeans.

Homo sapiens is the only biological species that can handle practically

any type of climate on earth --from the
deserts to the polar regions, from the constantly humid tropics to the high

altitudes

of the Andes. Not even the animals that follow human society most closely,

the rats,

have developed such an astonishing ability to adapt in the course of evolution.

SPIEGEL: In what sort of climate does man feel most comfortable?

Reichholf: Biologically speaking, we are children of the tropics. Wherever man

lives, he artificially creates tropical living conditions. We do this with warm

clothing, and with heated offices and homes. A tropical temperature of about

27 degrees Celsius (80 degrees Fahrenheit) constantly prevails underneath

our clothing.

SPIEGEL: But, as an ecologist, aren't you at least concerned about animals

and plants?

Reichholf: Many species are certainly threatened, but not by climate change.

The true danger
comes from the destruction of habitats, such as the rampant deforestation of

species-rich
tropical forests. Particularly as a conservationist, I believe that focusing on

the greenhouse
effect is very dangerous. The climate is increasingly being turned into a

scapegoat, to deflect attention from other environmental crimes. A

typical example is the misleading debate over catastrophic flooding, which

is in fact caused by too much development along rivers and not by more

extreme weather events, which we can't change anyway.

SPIEGEL: What do you see as the greatest threat to plants and animals?

Reichholf: Industrial agriculture is the number one killer of species in

Germany. With their monocultures and over-fertilized fields, farmers have

radically impaired the living conditions for many animals and plants.

Many species have already fled from the countryside to the cities, which

have been transformed into havens of biodiversity. We are also seeing another

interesting phenomenon: Major cities, like Hamburg, Berlin and Munich, have

formed heat islands where the climate has been two or three degrees warmer

than in the

surrounding countryside for decades. If higher temperatures are truly so bad,

why do more and more animals and plants feel so comfortable in our cities?

SPIEGEL: And what is your view of the prognoses that global warming will

cause up to 30percent of all animal species to become extinct?

Reichholf: It's nothing but fear-mongering, for which there is no concrete

Evidence. On the contrary, there is much to be said for the argument that

warming temperatures promote biodiversity. There is a clear relationship

between biodiversity and temperature. The number

of species increases exponentially from the regions near the poles across

the moderate
latitudes and to the equator. To put it succinctly, the warmer a region is, the

more diverse are its species.

SPIEGEL: Are you saying that the greenhouse effect could even help improve

biodiversity in the long term?

Reichholf: Exactly. And this can also be clearly inferred from the insights of

evolutionary biology. Biodiversity reached its peak at the end of the tertiary

age, a few million years ago, when it was much warmer than it is today.

The development went in a completely different direction when the ice

ages came and temperatures dropped, causing a massive

extinction of species, especially in the north. This also explains why Europe

has

such a high capacity to absorb species from warmer regions. It just so happens

that we have many unoccupied ecological niches in our less biodiverse

part of the world.

SPIEGEL: In other words, for you global warming means more flourishing

landscapes on the planet?

Reichholf: Indeed. When it becomes warmer, many species receive new habitats.

The overall
picture is clearly positive, as long as we don't destroy the newly developing

habitats right away by intervening in nature in other ways. It's no accident

that most of the species on Germany's red list of endangered species are the

heat-loving species. Many of them could e given new opportunities to survive

in Germany.

SPIEGEL: But aren't you underestimating the rapid pace of the current

warming? Many animals and plants are unable to adapt quickly enough to a

changing climate.

Reichholf: This claim is already contradicted by the fact that there have been much

faster climate fluctuations in the past, which did not automatically lead to a global

extinction of species. As a biologist, I can tell you that only the fewest animals and

plants are accustomed to rigid climate conditions. Take our little wren, for

example. Many would call it a sensitive little songbird. But the wren thrives just

as well in Stockholm as it does in Munich or Rome. It even lives above the tree

line in the Alps. The only places we don't see wrens are where there are no bushes

or trees growing at all.

SPIEGEL: But there are certainly animals that live in very limited niches. For

example,how would polar bears survive global warming?

Reichholf: Then let me ask you in return: How did the polar bear survive the last

warm period? Perhaps Knut at the Berlin Zoo is an exception, but polar bears

in the wild don't exactly survive by sucking on ice. Seals are the polar bear's

most important source of food, and the Canadians slaughter tens of thousands

of them every spring. That's why life is becoming more and more difficult for

polar bears, and not because it's getting warmer. Look at the polar bear's close

relative, the brown bear. It is found across a broad geographic region,

ranging from Europe across the Near East and North Asia, to Canada and

the United States. Whether bears survive will depend on human beings, not

the climate.

SPIEGEL: Is there really no plant or animal species that isn't at risk of

extinction because of a further rise in temperatures?

Reichholf: I certainly can't think of any. There are a few flatworms that can

only
exist in icy cold springs. These creatures do in fact appear to be

disappearing

in places where the springs are warming up. But this could also be a coincidence,

because the closest relatives of these worms tolerate a much broader

temperature spectrum.

SPIEGEL: Conversely, should we be worried that malaria, as a result of global

warming, will break out in our latitudes once again?

Reichholf: That's another one of those myths. Many people truly believe that

malaria will spread as temperatures rise. But malaria isn't even a true tropical

disease. In the 19th century, thousands of people in Europe, including Germany,

the Netherlands and even Scandinavia,died of malaria, even though they

had never gone abroad. That's because this disease was still prevalent in

northern and central Europe in previous centuries. We only managed to eliminate

it virtually impossible that malaria would return to us purely because of

climate change. If it does appear, it'll be because it has been brought in somewhere.

SPIEGEL: Why has it become a dogma that we should be afraid of warmer times?

Reichholf: It's a mystery to me. As recently as the 1960s, people were more

concerned about a new ice age -- and that would indeed pose a great danger

to us. The most catastrophic eras were those in which the weather became

worse, not phases of warmer climates. Precisely because we have to feed

a growing population on this planet, we should in fact embrace a

warmer climate. In warmer regions it takes far less effort to ensure survival.

The interview was conducted by Olaf Stampf and Ger

2007-05-15

A CULTURA DO SUCESSO


Gordon Brown has said he has the "new ideas and vision" to govern Britain as he launched his long-awaited Labour leadership campaign. He praised Tony Blair and said he wanted to make the UK "one of the great success stories of the new century".

Gordon Brown imita Cavaco, que falou de uma California de sucesso, e as campanhas para estudar e ter sucesso de Sócrates. Também o novo Sarcoso da França, fala de cultivar o sucesso. Como se vê um só clone fala em várias línguas e cumpre a mesma agenda, parece o festival da eurovisão.

Como diz a bomba da Galp: Tenha um dia positivo!

DO FELIZ DESVIO


Assim é que está certo: não se abate a árvore, desvia-se a estrada. A maior parte das vezes ela estava antes, e uma só árvore é mais importante do que toda uma estrada.

FOTO tirada do blog A SOMBRA VERDE, que se recomenda.

MEMÓRIAS BREVES DE UM MINOTAURO


In memoriam Quasi

Fui um estudante atípico, os meus amigos eram outros escritores, já todos mortos. Convivi com espectros, antes de me dar conta que vivia numa cidade ainda muito mais povoada de fantasmas do que é possível imaginar.
Só ver a cidade pelos olhos dos escritores, tinha duas vantagens, tornava-a imemorial e dilatava-a de tal modo que a minha cidade, a quem os outros chamavam labirinto, era a única real, a única de onde nunca se devia sair.

DAS CIDADES


* Somos as nossas cidades, somos esse fantasioso museu de formas efêmeras, *esse monte de fotografias rasgadas.

* Saber perder-se, é uma das coisas mais inteligentes que se pode fazer numa cidade.

* Há que ter cuidado a escolher um mirante porque a pessoa acaba por ficar parecido com eles.

* Uma pessoa está apaixonada de uma cidade cuando descobre que se trata de uma cidade única.

* Se de algo sou rico é de ruas, de janelas e de pracetas e de algumas varandas onde perdi uma série de certezas.

* De que outra forma se pode ameaçar que não seja mortalmente? Sería diferente e mais imaginativo ameaçar a alguém com literatura.

* As belas cidades não merecem ter subúrbios, tal como os subúrbios não merecem ter belas cidades.

* É tão incompreensível viver num subúrbio como dizer que ser alfacinha é ser suburbano.

* A cidade é a superstição mais difundida destes dois últimos séculos, um abuso da estatística e da planificação.

* Os subúrbios são sempre desproporcionados às cidades e acabam por tornar impossível andar a pé dentro delas.


FOTO:palazzo Batiferri


Disclaimer: Pode citar desde que mencione a fonte

À ESPERA DE CIDADES COM GOSTO


pending owl joke
Originally uploaded by jessamyn.
Uma cidade com gosto é sempre vagamente inacessível e demora tempo para se descobrir. Tem sítios absolutamente únicos e uma luz maravilhosa, sempre diversa. É corrida por brisas. Há também uma luz especial nos olhos dos que a percorrem encantados. Há árvores. Ouvem-se pássaros. Vê-se o rio, o mar, entre casas. Corre um arrepio pela espinha, a alma dilata-se, aberta à surpresa.

Um centro comercial enorme é extremamente acessível, descobre-se em menos de meia hora, e causa dependência. Vê-se lá o mesmo que em outro centro comercial. A luz é fluorescente e deprimente. Respira-se ar condicionado. Não há árvores. Ouve-se música de pacote. Há uma cascata artificial quando muito, com um lago onde há plantas aquáticas de plástico. Não se ouvem pássaros. Sente-se claustrofobia. Milhares de consumocéfalos agitam as ventosas com uma mole agressividade.

2007-05-14

CANDIDATOS À CÂMARA



Não há nenhum à vista. Dos anões que se vêem qual o menos obnóxio?
Vote em Alice!

2007-05-13

PORTUGUÊS SÓ EM ESSES


Sócrates Sousa, supremo sol socialista, supunha safadamente ser saudável sorrir sempre, sem suspeitar se seu soberbo Simplex seria só surripiado simplesmente.

Soporiferamente, seus sequazes suspiraram. Sabiam ser sonso suplicar-lhe sereno saber.

Sentenciaram : Senhores! só supomos subir se soubermos sacanear sinais. Seguidamente, sincronizando sinuosos solecismos, sentaram-se sobre sondagens.

Satisfeitos, surripiaram sebentas sujas. Sulistas simpáticos souberam sacar silogismos. Sampaistas sabidos sanearam sílabas. Soaristas solenes saparam solilóquios. Sonegaram súplicas sabendo-se sábios. Soturnos sequazes silenciaram sentenças suspeitas. Suprimidos sinistros sinais, sobraram sinfonias. Superiores sons.
Sorrindo, separaram sarcasmos simulando sereias, soando sonhos subtis.

Socialismo será secretista! sibilou Soares sacudindo Sócrates. Salomão sabia! segredou Soares a Sócrates, supondo-o só. Suplicou-lhe: Sócio! sabias sorrir sem sociedade? Saberás sem sêlo seguir sorrindo solitário ? Sarkozi seriado serias sublime!

Sonoros semânticos suspiraram. Sócrates Sousa, sofista salarial, sentenciou: Se socialismo sublima sexo será social? Se socialismo sonega sibilinos será soneca? Semieterno seria sensacional!

Texto de Miguel de Castro Henriques